Autenticação com Senhas

Funcionamento

Para ter acesso a determinados sistemas ou lugares, pode ser necessário fornecer algo para que ocorra uma autenticação, isto é, uma permissão de acesso.

O processo de autenticação consiste em fornecer uma prova de acesso a um sistema e consequentemente receber a permissão de acesso ao mesmo.

Existem vários tipos de autenticação:

  1. A autenticação pode ser baseada em algo que você carrega: por exemplo um cartão de crédito, um crachá ou documento de identificação.
  2. A autenticação pode ser baseada em algo que só você ou um grupo restrito de pessoas sabe. Chamamos essa informação de senha.
  3. Ela também pode se basear em alguma característica física sua e nesta caso estamos falando de biometria.

Neste curso falaremos apenas sobre senhas, que é a forma de autenticação mais utilizada na comunicação digital.

Biometria pode ser forjada e algo que você carrega no bolso pode ser roubado. Mas extrair uma senha da sua mente já envolve mais trabalho. Daí o poder das senhas!

A ideia de uma senha é muito simples: só você ou um grupo restrito de pessoas tem acesso à senha, isto é, só quem deve ter a permissão de acessar um sistema é quem deve ter as credenciais de acesso.

Ataques

Alguns sistemas são baseados num único fator de autenticação. Outros em dois ou até três: algo que você carrega consigo, algo que você sabe e algo que faz parte de você.

Note que, no limite, todas essas três características podem ser roubadas ou forjadas, com inúmeros graus de sofisticação. Ou seja, a autenticação a um sistema será sempre limitada.

Os principais ataques à autenticação com senha são:

  • Esquecimento: você esqueceu sua senha e ficou fora do sistema!

  • Ataques marotos: alguém pode simplesmente te induzir a fornecer a senha. Por exemplo num sistema falso mas que pareça ser o original.

    Ou alguém que pergunte a senha pra você, por exemplo se oferecendo para avaliar se a sua senha é boa ou ruim. Existem até sites que se oferecem a isso. Não confie neles! Não confie em ninguém para guardar ou avaliar sua senhas!

  • Surfistas de ombros, do inglês shoulder surfing, é o ataque para obtenção de senhas baseada no fenômeno do zoião, isto é, em alguém ou algum dispositivo observando diretamente você digitando sua senha.

    Existem também métodos indiretos para fazer essa observação.

    Um método simples para evitar esse tipo de safadeza é tapar a visão do teclado e das mãos no momento da digitação. Por exemplo, você pode tampar seu laptop com a tela enquanto digita a senha.

  • Interceptação no meio de transmissão ou recepção de uma senha. A senha pode ser digitada num teclado que possui um grampo do tipo keylogger instalado. Ou a senha pode ser enviada para outro local sem que haja criptografia implementada na transmissão. Ou mesmo essa criptografia pode ser ruim e revelar o conteúdo da senha.

  • Alguém pode extrair senhas em interrogatórios. Ou achar senhas salvas no próprio dispositivo de acesso, em anotações ou até em lixo de escritório, acredite se quiser!

  • Às vezes, uma senha nem precisa ser roubada. Ela pode ser descoberta:

    • O chamado “Ataque de Força Bruta” consiste em descobrir uma senha usando da tentativa e do erro. Computadores conseguem tentar várias combinações num período de tempo curto.

      Se o tamanho de uma senha for curto, o que pode ocorrer em sistemas que impõem um tamanho máximo, então o tempo para descobrir a senha por tentativa e erro também é curto.

      É claro que tentar todas as combinações possíveis pode demorar muito tempo. Para reduzir o intervalo entre várias tentativas e um sucesso, os atacantes partem de um conjunto de hipóteses sobre uma senha.

      Uma das hipóteses é que a senha é feita de uma ou mais palavras conhecidas.

      Existem os chamados dicionários, que são conjuntos de senhas ou palavras usadas como base nas tentativas. Esses dicionários podem ser compostos por conjuntos de senhas mais comuns encontradas por aí ou estatisticamente relevantes. Sim, existem estatísticas sobre senhas populares! E podemos dizer que uma das piores características de uma senha é a sua popularidade!

      Assim, ataques de força bruta podem tentar inúmeras combinações de senhas e palavras comuns.

      Ataques mais refinados podem ainda utilizar outros padrões estaticamente conhecidos para diminuir ainda mais o conjunto de possibilidades de descoberta.

    • Se você usa como senha alguma informação sobre a sua vida, de pessoas próximas ou algo do tipo, você estará automaticamente diminuindo a segurança da sua senha.

      Muita gente usa datas importantes, como aniversários e outras informações pessoais como senhas, porque são mais difíceis de serem esquecidas. Mas, com isso, acabam se esquecendo que esse tipo de escolha facilita a obtenção de senhas por algum atacante que consiga obter essas informações.

      Mesmo que você misture datas e informações pessoais conhecidas, a quantidade de tentativas necessárias para descobrir sua senha é baixa o suficiente para uma série de tentativas automatizadas ter sucesso.

Defesas

Como proteger uma senha de roubos? Aliás, o que é uma boa senha?

Podemos pensar em algumas características importantes para uma senha decente:

  1. Memorizável: uma senha muito difícil de lembrar pode levar ao seu esquecimento e ser difícil de digitar.

    Já uma senha muito fácil de lembrar também pode ser muito fácil de alguém descobrir. Senhas muito fáceis em geral também tem um tamanho pequeno, então pense num tamanho mínimo e memorizável quando criar sua senha.

  2. Difícil de descobrir: quanto mais difícil de descobri-la, melhor, mas isso pode acarretar numa complexidade da senha que a torna difícil de lembrar.

  3. Pouco ou não compartilhada: se você usa a senha para uma coisa, e uma única coisa apenas, é mais difícil dela ser descoberta. Quanto mais compartilhada, maior o risco, pois a superfície de ataque à senha aumenta.

    Esta característica vem diretamente do princípio da compartimentalização: se uma senha for comprometida, o dano estaria restrito apenas a um ou poucos sistemas.

    Uma senha roubada pode ser usada como tentativa para invadir outros sistemas. Se você usa a mesma senha para mais de um sistema, e ela for roubada, trate logo de mudar a senha em todos esses sistemas.

A verdade é que não existe uma regra geral para uma boa senha. Porque qualquer regra acaba fornecendo um padrão para a construção de senhas. E aqui queremos justamente libertar sua imaginação do máximo possível de padrões.

O importante é respeitar ao máximo essas três características: ser memorizável, difícil de descobrir e minimamente compartilhada entre pesssoas e sistemas.

Exemplos de criação de senhas

Vamos dar alguns exemplos de criação de senhas razoáveis. Estas senhas que vamos gerar agora não são seguras, já que as estamos divulgando não só para você, mas para o resto do universo!

A intenção aqui é mostrar algumas técnicas possíveis para a criação de senhas para que você possa descobrir qual é a forma que funciona mais para você.

Aqui vão algumas técnicas:

  1. Crie uma sequência de símbolos o mais aleatória possível. Por exemplo 6e”I`g[r 7YV!7P.

    Muitos sistemas permitem que a senha possuam espaços e até combinações de caracteres especiais, o que é interessante. Mas, nesses casos, você pode se confundir se tiver de digitar a senha em teclados ou sistemas com diferentes configurações.

    Essa senha pode ser gerada de várias maneiras. Mas tome cuidado que às vezes a nossa seleção manual pode não ser tão boa. Por exemplo, digitar a esmo no teclado pode produzir sequências bem preditáveis pelo fato de nossa digitação estar “viciada” a teclar estatisticamente em um grupo restrito de teclas ou a seguir um padrão de digitação já bem determinável.

    Assim como é fácil gerar essa senha, também é fácil programar um computador para fazer o mesmo e tentar usar senhas geradas aleatoriamente para acessar sistemas.

    Esse tipo de senha também tende a ser difícil de ser lembrado, então seu uso deve ser avaliado com cuidado.

  2. Crie uma palavra qualquer. Isso mesmo, invente uma palavra! Por exemplo fletuciladamente. Não faço a mínima ideia do que ela significa. Na real, ela não quer dizer nada. Tanto melhor!

    A facilidade aqui é que temos uma memória muito boa para decorar palavras pronunciáveis. E com pouca dificuldade podemos criar senhas de tamanho razoável.

    Note que existem muitos padrões gramaticais que são aplicados sem que levemos em conta ao criarmos palavras.

    Por exemplo, há uma tendência de uma ou duas consoantes serem seguidas por uma vogal e assim por diante. Em tese não seria difícil para um atacante construir um programa que reproduza essas regras para construir um dicionário de palavras pronunciáveis.

  3. Que tal misturar essa palavra com alguns caracteres? Podemos pensar em flEtuci|0d4mente.

    É comum a substituição de letras por seus “equivalentes” em números, isto é, por números cuja forma se assemelha às letras distorcidas.

    Assim, E pode ser trocada por 3. Mas muito cuidado em basear sua segurança somente nesse tipo de troca, já que ataques minimamente sofisticados podem tentar a mesma coisa sem nenhuma dificuldade!

  4. Que tal usar várias palavras, de preferência inventadas? Podemos pensar em impelícia devora ecriterbeção*. Apesar de ser uma senha grande, ela não é tão difícil de memorizar, especialmente porque temos uma tendência de fazer associação de ideias mesmo com palavras sem significado.

    Também, em tese, não seria difícil fazer um programa que gere esse tipo de combinação.

    Você pode obter palavras buscando-as aleatoriamente num dicionário, tendo o cuidado de não repetir os padrões que temos ao abrirmos livros, mas ao invés disso usando, por exemplo, sequências de jogadas com dados para determinar o número de uma página, de uma linha, etc.

    Existe até um método chamado de Diceware que é baseado justamente em jogadas com dados e listas de palavras.

Existem muitas outras técnicas possíveis. Qual usar? A resposta é muito pessoal. Se você puder escolhar, escolha o maior número possível de técnicas ou tente usar algo mais aleatório possível que você consiga decorar.

Memorizando senhas

O limite da senha depende da capacidade e vontade de cada pessoa.

Se você tiver dificuldades com memorização mas quiser tentar uma senha mais complexa, você pode tentar primeiro decorar a senha e só quando se sentir seguro ou segura proceder com a alteração no respectivo sistema.

Tanto a criação quanto a memorização de senhas são processos que, para funcionar bem, dependem de autoconhecimento: qual é o nosso processo de criação de senhas? Quais são aquelas que conseguimos memorizar? Isso é algo bem pessoal.

Uma maneira válida para memorização, porém controversa, é a anotação de senhas. Controversa porque você pode perder ou se esquecer de apagar a anotação.

Contudo, pode ser razoável você manter a senha com você durante o processo de memorização. Mas isso depende muito da situação em que você se encontra. Se o fizer, lembre-se ao menos de queimar o papel assim que tiver decorado a senha!

Compartilhamento e gerenciamento de senhas

Tudo bem. Já temos uma ideia do que precisamos para melhorarmos a qualidade das nossas senhas. Mas teremos de fazer isso para todas as nossas senhas?

Vivemos num mundo de muitos sistemas, muitas contas, e por isso mesmo temos que ter muitas senhas. O que fazer se devemos evitar ao máximo reutilizar a mesma senha em diversos serviços?

Podemos pensar em duas abordagens:

  1. Usar círculos ou níveis de senhas. A ideia aqui é reduzir a reutilização de senhas dependendo do nível que um serviço for crítico aplicando o princípio da compartimentalização.

    Serviços mais básicos, com os quais você não se preocuparia tanto com invasões, poderiam utilizar uma mesma senha. Talvez essa senha não precise ser tão complexa.

    Um nível intermediário seria composto apenas por sistemas nos quais a perda dos dados seria mais danosa e por isso teria uma senha mais complexa. Um nível avançado poderia ter uma senha mais difícil ainda.

    Esse agrupamento também pode ser feito pelo nível de segurança que determinado sistema oferece. Existem muitos sistemas de baixa qualidade que podem ser invadidos a qualquer momento.

    Note que, potencialmente, o comprometimento da senha de um nível ou compartimento pode comprometer a segurança de todos os serviços que se encontram no mesmo nível.

  2. Para alguns serviços, você pode até escolher o salvamento da senha nos seus dispositivos de acesso, caso você os confie para isso.

    Se o seu dispositivo estiver com armazenamento criptografado e não se tratar de um serviço sensível, talvez essa não seja uma má ideia.

    Neste caso você não precisa de uma senha compartilhada. Neste caso você talvez possa até esquecer sua senha!

    Caso você precise resetá-la, por exemplo ao perder ou ganhar um dispositivo, você pode solicitar ao serviço uma senha nova por email, por exemplo. Mas cuidado para não esquecer a senha do email ou do canal de comunicação que você use para receber a nova senha. E mude essa nova senha assim que recebê-la!

  3. Outra abordagem é utilizar um software de gerenciamento de senhas.

    Basicamente, ele cria um pequeno banco de dados com todas as suas senhas. Esse banco de dados é protegido criptograficamente com uma senha mestre. Você precisa lembrar dessa senha mestre para “destravar” esse banco de dados, mas em seguida pode acessar qualquer uma das senhas salvas e copiá-las para utilização em outros programas, como, por exemplo, num navegador web.

    Gerenciadores de senha também podem ser usados para criar senhas aleatórias para você, poupando seu esforço para criar senhas apenas para aquelas que você precisa decorar.

    É possível até que você nunca precise ver uma senha: seu gerenciador pode criá-la sem que você a veja e você pode copiá-la e colar noutro software do seu computador.

    Assim, você minimiza não só a quantidade de senhas que precisa decorar, mas também diminui o contato desnecessário com a sua senha.

    Existem vários gerenciadores de senha disponíveis.

    Dê preferência a gerenciadores de senhas que sejam instaláveis no seu computador para evitar a possibilidade da sua senha mestre ser capturada por alguma invasão ou má intenção de um serviço remoto de hospedagem de senhas.

    Também dê preferência para softwares livres, pos eles permitem a auditoria do código.

    Os gerenciadores são ótimos também no processo de memorização de senhas. Com eles você não tem motivos para anotar uma senha num papel, pois a qualquer momento pode consultar a senha usando o próprio gerenciador.

A melhor abordagem, na nossa opinião, é usar o gerenciador de senhas.

Assim, podemos minimizar o número de senhas sem perda significativa de segurança.

Imagine então a seguinte situação onde uma pessoa possui um conjunto mínimo de senhas:

  1. Senha para ligar e usar um computador com armazenamento criptografado.
  2. Senha para destravar o gerenciador de senhas do computador.
  3. Senha para ligar e usar o telefone móvel com armazenamento criptografado.
  4. Senha do banco para pode realizar operações financeiras sem precisar consultar nenhum dispositivo.

Essa pessoa precisa saber apenas 4 senhas! O inconveniente é que, para usar outras senhas, ela precisará ter acesso ao seu computador e ao seu gerenciador de senhas.

Além disso, é recomendável que ela possua um backup do seu computador, incluindo a base de dados do gerenciador de senhas. Já que, no caso de perda do computador, ela pode recuperar suas senhas a partir de um backup criptografado.

A quantidade total de senhas que uma pessoa precisa decorar vai depender muito do planejamento que uma pessoa fizer e do que for mais confortável para ela.

Algumas pessoas podem ter apenas uma ou duas senhas que permitam acessar o gerenciador de senhas.

Outras podem necessitar de mais senhas na cabeça para uso diário. Pode até acontecer que você comece a decorar senhas de tanto usá-las.

Digitando senhas

O momento da digitação de uma senha é especialmente vulnerável já que é a hora em que ela passa da sua cabeça para o computador, passando por um meio intermediário onde ela possivelmente possa “vazar”. Alguns cuidados ajudam:

  • Apenas digite sua senha quando o computador estiver esperando por ela; pode acontecer de você digitar seu usuário e logo de cara começar a entrar com a senha mesmo antes do computador pedi-la. Nesse meio tempo, pode acontecer da senha aparecer na tela, principalmente em computadores mais lentos.
  • Experimente digitar qualquer coisa no lugar da senha para ver como o computador se comporta; existem ocasiões em que o computador preenche cada caractere digitado com um asterisco (*), outras a senha pode até aparecer normalmente (!); depois de se certificar de que está tudo bem com o pedido de senha, apague tudo o que você digitou anteriormente e entre com sua senha correta.
  • Verifique se as teclas Num Lock e Caps Lock do teclado estão ligadas, desligando-as caso desejado.

Limite da confiabilidade de senhas

Por mais que uma senha seja longa e difícil, sempre é possível que alguém a descubra por tentativa e erro. Mas se você tomar os cuidados da seção anterior, vai demorar muito tempo até que alguém consiga quebrá-la.

É possível ainda que você passe por interrogatórios ou até mesmo por torturas. Nesse caso, dependerá apenas do seu estômago se você fornecerá ou não a senha para o torturador. O importante, nessa discussão, é você ter em mente que senhas nem sempre implicam na a inviolabilidade das suas informações e que você deve ter consciência do que pode acontecer caso seus dados sejam obtidos por terceiros. Torturas e interrogatórios são casos extremos, porém pode acontecer de terceiros descobrirem sua senha por outros meios, tanto pela tentativa e erro quanto por falhas de protocolo ou falhas de implementação.

Resumo

Boas senhas possuem as seguintes características:

  1. São memorizáveis.
  2. Difíceis de descobrir.
  3. Pouco ou não compartilhadas.

Atividades

  1. Expanda o seu Checklist de Segurança incluindo uma estratégia de senhas para você. Se preferir, pense num cenário de curto prazo e noutro de médio ou longo prazo para que você consiga melhorar a qualidades e seu esquema de senhas com calma.